Quarta-feira, 27 de Dezembro de 2006
...
«Eu sou pintora, disse, e como tenho um belo atelier podíamos combinar para ir lá amanhã.»

O rapaz riu por baixo do boné.

«Também sou pintor mas é de tabuletas.»

Amaram-se muito. Principalmente ali, no encontro feliz. Depois, logo no dia seguinte, vieram as subversões na torpe realidade. Julião tinha um horário invencível, vivia no lado de lá do lado de lá do rio, explicava ele. Aparecia radioso e Titânia tomava-o como uma bebida que não deixa chegar o fim do copo. Às vezes traziam-se coisas, um prego achado na praia, bocados, fotografias. Mas um silêncio irreal, um silêncio nos olhos ainda era a melhor dádiva que se faziam.
(...)

Mário Cesariny



desinfectado por Jonas às 02:37
link do post | comentar | favorito
|

Eu
Remexer
 
Últimos

...

Fossa Séptica

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

subscrever feeds
Trapalhada

todas as tags