Terça-feira, 28 de Novembro de 2006
Frio, Madurezas e Amigos Estranhos

Esta coisa do frio que se decidiu começar a instalar é um aborrecimento. Mais uma das minhas madurezas, dirão, mas o que me chateia é não poder andar tão despido quanto é desejável. Não necessariamente nu, hein, e em casa, entenda-se.

Não sou propriamente narcisista mas gosto de saber e ir vendo o que se passa com o meu corpinho e, pelo facto de as temperaturas andarem já mais por baixo, este tem estado tendencialmente mais coberto, menos sujeito à observação.

É bom saber que os pelunchos do peito continuam semeados de forma ordeira, que nenhum assumiu tamanho ou forma aberrantes. Saber do estado de hidratação da pele, se é adequado ou não. Controlar o aparecimento dessas borbulhas inomináveis, dignas de uma segunda puberdade... e, enfim, agora com uma visão menos frívola, vigiar os nevos que proliferam, embora sem desenvolvimentos malignos, na família. Já a minha avó dizia que "o rapaz-piqueno é sinaleiro!".

Não me tomem por maluquinho das doenças porque não o sou, sim?

Chamem-me cromo, quero lá saber! Com as estranhas afinidade que vou arranjando está tudo mais que explicado. Não é inédita a enumeração de uns poucos amigos "eskasitos", já o fez a prezada Fuckitall. Um pouco mais de exaustão é o que proponho na minha abordagem:

Para começar, sem qualquer critério qualitativo (lamento), apenas pela facilidade da proximidade caligráfica (sim, é porque eu escrevo muita merda em papel), apresento a Fuckit que educa a sua cria num ambiente subversivo. Fá-la saltar ao som de revolucionários como R.A.T.M.. É de referir igualmente o estado desalmado da criança, assumido sem hesitações pela própria quando questionada acerca da localização da sua alma. Embora, depois de alguma ponderação, tenha acedido ter uma alma no rabo.

A-que-não-presta também é boa peça, sim. A favor da construção em altura em Lisboa, assume-se ela própria como uma protuberância no horizonte da nossa estatura mediterrânica. Em suma, é crescida como o raio! Não é só a mania das grandezas. Fazendo justiça ao nome não perde uma boa discussão para molhar (n)a sopa, admite laivos pavlovianos no seu comportamento.

Cenas Obscenas é investigador das artes nipónicas de fornicar com o maior espalhafato possível e arqueólogo de lixo electrónico ou Beta Max. Anda muito gráfico ultimamente. Consta que é, como eu, saloio.

Sobre Dr. Traktor nem me vou adiantar, é um freak da blogosfera e não só, garanto! Também consta que é saloio.

Há aquela história dos neurónios espelho e que não podemos ser aquilo que queremos mas sim o que o meio nos permite. Essas coisas... Preciso dizer mais?



desinfectado por Jonas às 11:56
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Eu
Remexer
 
Últimos

Quantos "gigas" tens?

Da convivência com insect...

Não é para fazer pouco...

Inadequado

por favor...

Devo ter uma vida boazinh...

Pastelaria fina

Argumentos contra amantes...

Porque o melhor do mundo ...

Mimoso

Fossa Séptica

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

subscrever feeds
Trapalhada

todas as tags